OSTEOPOROSE RELACIONADA AO ESTRESSE

Sentir-se estressado está ligado a um risco aumentado de fratura.
Pesquisa publicada na Osteoporosis International Journal em junho de 2016 pela Dra. Suzanne Hecht, MD, especialista em medicina esportiva.

“ Nosso esqueleto é formado antes de nascermos, ele nos apoia em toda a nossa vida  e pode permanecer por muito tempo depois que morrermos. Independentemente da idade, sexo, raça, nacionalidade, ou conjunto de crenças, todos nós temos um. No entanto, este órgão essencial é tão frequentemente negligenciado. ” (Dra. Hetch.)

A pesquisa centrou-se na produção e atividade de hormônios do estresse, como cortisol, epinefrina e noradrenalina, ligados à  ossos mais fracos em pessoas com depressão e ansiedade.
“Indivíduos que estão vivendo com uma ampla gama de doenças estão predispostos à desenvolver osteoporose ou sustentar fraturas por fragilidade.

Nossos corpos não podem lidar com o stress implacável do dia a dia sem descanso.
Quando o estresse domina , nosso corpo perde minerais essenciais, como cálcio e magnésio. O estresse causará um aumento na produção adrenal de mineralocorticóides . A estimulação das glândulas supra-renais tende a aumentar a secreção de hormônios que causam uma perda de minerais. Os mineralocorticoides são uma classe de hormônios esteróides caracterizados por sua influência nos equilíbrios de sal e água, que também têm relação com o cálcio.
Dra. Suzanne Hecht, MD, professora associada do departamento de medicina familiar e saúde comunitária da Universidade de Minnesota, em Minneapolis, e especialista em medicina esportiva., explica em sua pesquisa (OIJ):
 A saúde fica  em desequilíbrio se as emoções negativas crônicas não forem balanceadas pois são forças poderosas que podem perturbar o equilíbrio interno. Quanto ao osso, o medo, a ansiedade e a preocupação molestam diretamente o fígado e os rins que tomam parte na manutenção da estrutura esquelética.

“O estresse pode causar osteoporose?” Fiz esta pergunta à mulheres pensativas pelo menos mil vezes. Até agora, minha resposta é “sim” .
Por cerca de 5.000 anos, a antiga medicina oriental diz que a saúde esquelética, como toda a saúde, flui de um estado de equilíbrio interno – mente-corpo-espírito-emocional. Sua resposta às preocupações e às emoções fortes influenciam órgãos específicos e circuitos internos de energia. Por exemplo, enquanto a raiva perturba o fígado, a emoção de medo, ansiedade e preocupação ‘drena’ os ossos que estão sob o comando predominante dos rins .
“O estresse muitas vezes é resultado de má nutrição”, diz Suzanne .
“Obter calorias adequadas é importante. Tente trabalhar com um nutricionista para criar uma dieta saudável!
Aprender e praticar regularmente técnicas de respiração profunda pode levar à menos estresse emocional e físico, medido pela frequência cardíaca e níveis do hormônio do estresse;  (De acordo com um estudo publicado na Neurological Sciences em março de 2017).

Você pode aprender técnicas de respiração profunda com um  terapeuta de saúde mental ou instrutor de ioga. ”
Durma mais – Não dormir o suficiente pode levar ao aumento notável de estresse . Tente  obter cerca de 7 horas de sono de qualidade a cada noite, sugere a Fundação Nacional do Sono (National Sleep Foundation) .

caminhada 2

Fazer caminhadas. “O exercício ajuda a aliviar o estresse psicológico negativo”, diz a Dra. Hecht. Atividades físicas regulares, como caminhar, também podem ajudar a retardar a progressão da osteoporose, de acordo com a AAOS (Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos) .
Cálcio e vitamina D: Embora o cálcio esteja intimamente envolvido na fisiologia muscular, a melhor evidência clínica sugere que a otimização da vitamina D e da vitamina K2 leva à redução do risco de quedas, ao invés de apenas suplementação com o cálcio .
“Encorajo os pacientes a conjuntamente praticarem atividade física durante o tratamento como uma ferramenta para ajudá-los a melhorar”, diz a Dra. Hecht. Praticar exercícios específicos de gerenciamento de estresse que se adequem ao seu estilo de vida ( Ex: Dançar, fazer aeróbica de baixo ou alto impacto, caminhadas diárias, pular corda, subir escadas , jogar tênis , etc.. ) .

Fale com seu médico ou um fisioterapeuta para ajudá-lo a achar a melhor forma de praticar seus exercícios!

Anúncios